Caminhoneiros no Tocantins aderem manifestos e impede passagem em várias cidades: Três continuam com bloqueios

O bloqueio em Araguaína, fica no trevo da BR-153, que dá acesso ao Distrito Agroindustrial da Cidade

Da Redação

Manifestações são realizadas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), em vários Estados, e no Tocantins, foram registrados bloqueios em Gurupi, Paraíso, Araguaína e outras cidades menores, sendo que continua os protestos, na manhã desta quinta-feira, 09, nestas três cidades.

O bloqueio em Araguaína, fica no trevo da BR-153, que dá acesso ao Distrito Agroindustrial da Cidade. Os manifestantes permitem a passagem de veículos pequenos e bloqueiam os de carga. Em Gurupi, o bloqueio fica na saída sul da cidade.

 A PRF informou que está dialogando com os manifestantes. Por causa dos protestos, em várias cidades como Palmas e Araguaína, várias pessoas lotaram os postos para abastecer veículos, com medo de faltar combustível.

Além da PRF, a Polícia Militar também está ajudando a controlar a situação. A PM informou que não houve registro de bloqueios nas estradas estaduais do Tocantins.

Pelas redes sociais, os participantes da manifestação destacam que os bloqueios, são em apoio ao presidente Jair Bolsonaro
 
Bloqueios pelo Brasil
 
De acordo com o Ministério da Infraestrutura e informações da PRF, informa que, às 8h do dia 09 de Setembro de 2021, são registrados pontos de concentração em rodovias federais de 15 estados, com 10% de redução de ocorrência desde o último boletim da madrugada.

São estes: Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Tocantins, Rio de Janeiro, Rondônia. Maranhão, Roraima, Pernambuco e Pará.

IMPORTANTE: Corredores logísticos essenciais liberados pela PRF para o livre trânsito de caminhões abertos agora pela manhã:

BR-040/Minas Gerais

BR-116/Rio de Janeiro (Dutra/Barra Mansa)

BR-040/Rio de Janeiro (Reduc)

BR-101/Espírito Santo

BR-376/Paraná

BR-153/Goiás (Anápolis)

Não há mais pontos de interdição de pistas na malha rodoviária federal, salvo protesto pela causa indígena na BR-174/Roraima