Caso de estupro em Colinas está sendo investigado; Policia Civil abre inquérito para esclarecer os fatos envolvendo o homem e a vítima

Nesta quarta-feira, 21, a Policia Civil emitiu uma nota para a imprensa onde trata do suposto caso de estupro em Colinas do Tocantins

Da Redação

Nesta quarta-feira, 21,  a Policia Civil emitiu uma nota para a imprensa onde trata do suposto caso de estupro em Colinas do Tocantins. O caso estaria envolvendo uma figura conhecida do município.

Entenda o caso

No último dia 21, uma jovem de 21 anos foi até a polícia e efetuou uma denúncia contra o ex-vereador e candidato a vice-prefeito em 2020, Marceli Rodrigues (PT). A suposta vítima chegou a prestar depoimento e contou em detalhes o que havia acontecido na noite do crime após uma festa na zona rural do município. 

A jovem em depoimento, afirmou que em determinado momento um homem se aproximou e lhe ofereceu carona, que foi aceita por ela, por ter o reconhecido como amigo de seus familiares. Mas ao invés de levá-la para casa, o autor a levou para a casa do sobrinho e que ambos começaram a forçá-la a tirar a roupa. A vítima ainda afirma ter apagado no local e que ao acordar já se encontrava despida. Após o ato o autor teria a obrigado a ir em um motel, onde realmente o estupro, a violencia e as ameaças começaram.  “Ainda ameaçou a mesma para que não o denunciasse, alegando que tinha dinheiro e era bastante influente e que caso o denunciasse o máximo que iria acontecer era pagar uma "fiançazinha" e estaria livre”, diz trecho do boletim.

Em nota, Marceli Rodrigues esclareceu os fatos e afirmou que as acusações são  inverídicas. “Espero que as investigações sejam feitas, e que todos os fatos sejam apurados o mais breve possível para assim provar a minha inocência”, afirma o ex-vereador.

DEAMV

Em nota a Polícia Civil afirmou estar tratando do caso. "Um inquérito policial foi instaurado e o acusado se apresentou espontaneamente. Foi iniciado oitivas com testemunhas e segue o trabalho investigativo com os agentes realizando diligências. O caso está sendo conduzido pela 4ª Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher e Vulneráveis (DEAMV - Colinas do Tocantins). Mais informações serão atualizadas em momento oportuno”, diz trecho da nota.