Coligação "Muda Pugmil" diz que cumpriu todos os requisitos legais e acusa chapa adversária de tumultuar o processo eleitoral

Eleição acontece no dia 2 de fevereiro devido a cassação da ex-prefeita Maria de Jesus Ribeiro e do vice Elton Coelho

Foto: Divulgação
Da Redação

Em nota encaminhada para a imprensa, a coligação “Muda Pugmil”, encabeçada pelo candidato a prefeito Dircineu Bolina (PSDB) e pelo vice Ângelo Mário criticou a coligação adversária “Seriedade de trabalho”, do prefeito interino Nazaré Amâncio (Cidadania), e  afirmou que cumpriu todos os requisitos legais no processo de registro de suas candidaturas e que irão disputar, normalmente, a eleição suplementar no município. A coligação ainda acusou a chapa adversária de “tumultuar o processo eleitoral” no município.

As declarações da coligação “Muda Pugmil” vêm após a chapa adversária ingressar com quatro pedidos de impugnação contra as candidaturas de Dircineu Bolina e Ângelo Mário. O julgamento dos registros está previsto para ocorrerem até o dia 26 de janeiro.

Segundo a nota, a chapa do candidato Nazaré Amâncio “tenta, a todo custo, se perpetuar no poder impugnando tanto esta coligação, quanto a outra também registrada, no intuito de ser candidato único no município”.

E ainda ressaltou que os itens constantes, chamados de “sistema copia e cola”, realizados em face de todos os candidatos adversários, “visam exclusivamente tumultuar o processo eleitoral deste município tão castigado por ações irresponsáveis do grupo político que deu causa à esta eleição suplementar por crimes eleitorais praticados no pleito de 2016 e que têm estancado o desenvolvimento da cidade”, disse.

Por fim, a nota diz que tanto Dircineu Bolina, quanto Ângelo Mário “cumpriram todos os requisitos legais no processo de registro de suas candidaturas”: “Irão disputar a eleição normalmente e que a campanha segue como já está: contagiando o povo de Pugmil com um forte sentimento de mudança. Desta forma, assim que intimados, as respectivas defesas serão formalizadas e, com o respaldo costumeiro da Justiça Eleitoral em favor daqueles que exercem com responsabilidade o mandato popular por 4 mandatos cada, seguiremos em busca da tão esperada transformação de Pugmil”, finalizou.

Entenda

A eleição suplementar em Pugmil acontece no dia 2 de fevereiro devido a cassação da ex-prefeita Maria de Jesus Ribeiro (PPS) e do vice Elton Coelho (PTB) condenados por captação e gastos ilícitos de recursos, além de abuso de poder econômico na campanha de 2016.