Escoamento de energia de linhas de transmissão abrange 17 municípios do Tocantins e Pará

A energização do novo trecho amplia a operação parcial do sistema, que iniciou em dezembro de 2021

Da redação

Neste mês de abril, acontece mais uma etapa da energização das linhas de transmissão do Projeto Novo Estado (PNE), da ENGIE Brasil Energia. O projeto conta com 3.634 torres em 1.805 km de extensão, interceptando 24 municípios entre os Estados do Tocantins e Pará. 

A energização do novo trecho amplia a operação parcial do sistema, que iniciou em dezembro de 2021. Neste processo, é fundamental que a população redobre a atenção às mudanças e à segurança nas proximidades das torres.

Etapa

A segunda etapa de energização acontecerá na linha de transmissão que interliga as subestações Serra Pelada, em Curionópolis, no Pará, e Miracema, no Tocantins. Este é o maior trecho a ser energizado no Projeto, cruzando 5 cidades no Pará: Curionópolis, Sapucaia, Xinguara, Rio Maria, Floresta do Araguaia; e 12 no Tocantins: Pau D’arco, Arapoema, Bernardo Sayão, Pequizeiro, Presidente Kennedy, Guaraí, Tabocão, Itaporã do Tocantins, Araguaína, Rio dos Bois, Miranorte e Miracema do Tocantins.

“O PNE reforça o Sistema Interligado Nacional e garante que a energia chegue mais longe, com mais qualidade e segurança, em toda a Região Norte do país. Trata-se de um projeto de alta relevância, uma vez que a eletricidade é fundamental para o desenvolvimento econômico e social e melhoria da qualidade de vida das pessoas”, ressalta o gerente de implantação do Projeto Novo Estado, Paulo Muller.

Cuidados

Com as linhas energizadas, é importante destacar a importância de se respeitar os limites, de 58 metros, das faixas de servidão, que são áreas que margeiam as linhas e possuem um uso restrito, visando garantir a segurança ao longo de todo o traçado. 

Nessa faixa são realizadas a construção, montagem, operação e manutenção da linha.
O Projeto Novo Estado alerta para os cuidados a serem tomados na faixa de servidão: é proibido tocar ou subir nas torres, empinar pipa e soltar balão, praticar atividades que possam incidir em queimadas e extrair material rochoso ou solo. Continua permitido o cultivo de plantações baixas e pastagem e o trânsito na faixa de servidão, desde que seja com segurança e respeito ao distanciamento das torres energizadas.