Falta de medicamentos de uso continuo e de tratamento para a Covid-19, preocupa vereadores de Colinas, que cobram reação da Prefeitura

Vereadores visitaram o Hospital Municipal de Colinas e Fármacia Básica e apuraram que falta insumos e medicamentos.

Da Redação

Após recebimento de denúncias por falta de insumos, medicamentos e até mesmo equipamento de uso em sondas para pacientes com pedras nas vesículas, os vereadores da Câmara de Colinas do Tocantins, Leandro Coutinho (PT), Romerito Guimarães (PT), Marcão (DEM) e Augusto Agra (DEM), utilizaram-se de sua prerrogativa para fiscalizar o Hospital Municipal da cidade e a Farmácia Básica com o intuito de averiguar a real situação.

Os parlamentares apuraram que há a falta de medicamentos como Ivermectina 6 mg, dipirona 500 mg e prednisona 20 mg destinados aos pacientes sintomáticos diagnosticados com o novo coronavírus e também não há remédios para uso contínuo, como losartan, captopril, metformina 850 mg e glibenclamida.

O vereador Augusto Agra, disse “a cidade está a 90 dias de uma nova gestão e não houve ainda sequer alguma compra de medicamentos. A licitação ainda está em andamento. Agora fica a pergunta, porque esperar tanto tempo se já podia ser comprado emergencialmente”, comentou o parlamentar.

Com o aumento do número de mortes por Covid-19 no município fez com que o vereador Romerito Guimarães elevou o tom contra a Prefeitura de Colinas. “É inadmissível a falta destes medicamentos, tanto no Hospital quanto na Farmácia Básica, pois, sabemos que os mesmos são de grande importância para a recuperação dos enfermos. Todos nós vereadores damos total apoio aos colaboradores da saúde que estão ansiando pelo pagamento da insalubridade”.

Para o vereador Marcão que esteve com a comitiva apontou que a preocupação dos parlamentares é com a falta dos medicamentos de tratamento do vírus. “A falta deles pode ensejar em uma evolução da pandemia na cidade”.

A ação segundo o Vereador e Presidente do Legislativo Colinense, Leandro Coutinho visou cobrar uma reação da prefeitura em virtude da morosidade nos trâmites da compra de medicamentos e insumos.

O município está no 5º lugar do Ranking de pessoas infectadas pelo vírus.

O DT abre espaço para que a Prefeitura possa comentar o assunto.