Família confirma vacinação e diz que Ângela além de prestar atendimento na farmácia possui comorbidade; Ela está na lista prioritária, diz advogado

A nota trouxe um breve histórico de sua estada no município de Arapoema, e demonstrou total interesse na clareza dos fatos

Da Redação

Um dia depois da reportagem do Diário Tocantinense, ir ao ar sobre a suposta servidora da Secretaria de Estado da Fazenda, no município de Arapoema, ter sido imunizada contra o novo coronavírus, a família resolveu se posicionar sobre a situação. Ela disse que realiza atendimentos na referida Farmácia nas horas livres do seu expediente na administração estadual e nos fins de semana. Ângela diz ser portadora de comorbidade e diz também responsável pela empresa.

A nota da família trouxe um breve histórico de sua estada no município de Arapoema, e demonstrou total interesse na clareza dos fatos sobre a suposta imunização recebida por Ângela.

“Frisamos ainda que, minha esposa também é portadora de comorbidade e por isso também precisou ser vacinada. Ela é responsável pelo atendimento aqui na farmácia”, afirmou o seu esposo Teófilo em nota enviada ao Diário Tocantinense.

O Governo Estadual chegou a se posicionar sobre o assunto, bem como o Município de Arapoema.

Confira na íntegra a nota

Eu Teófilo Divino de Faria e Ângela Maria Rosa, vimos esclarecermos o conteúdo da reportagem veiculada pelo site de notícias diário tocantinense e repostada nas redes sociais na data de 06 de abril de 2021, conteúdo relatado de cunho maldoso e desrespeitoso, a qual desconhece o contexto dos fatos. Arapoema é a cidade que escolhemos para viver e criar nossa família e a 32 anos temos farmácia neste município, exercemos essa missão de cuidar e ajudar as pessoas que precisam.

É fato público e notório que eu e minha Esposa, com as providências de Deus, sempre trabalhamos na Farmácia, criamos nossas filhas ali atrás daquele balcão, sempre com muito esforço, dedicação e honestidade. Ângela é servidora pública e sempre pautou pela honestidade, nos órgãos públicos estaduais que ela prestou serviço nunca deixou de cumprir suas atribuições, sendo, portanto, assídua no exercício de suas funções. Contudo, da mesma forma, sem prejuízo de seu cargo público, nunca deixou de ajudar nos atendimentos da empresa da família em suas horas livres, finais de semana e durante a noite nos vários plantões que acontece na nossa farmácia.

A Farmácia Santa Mônica é um estabelecimento da família, foi ali que eu e minha esposa construímos nossa vida e com nosso suor chegamos até aqui. Então queremos esclarecer que a vacinação dos funcionários, assim como a minha e de minha esposa que somos proprietários da farmácia, aconteceu de forma limpa e idônea, conforme nos foi orientado e solicitado através da Secretaria de Saúde deste Município. Frisamos ainda que, minha esposa, além de fazer atendimento na farmácia também é portadora de comorbidades, ao passo que nos sábados ela fica responsável pelo atendimento no estabelecimento, pois faço faculdade de Farmácia e tenho que me ausentar. Somos casados há mais de 30 anos e a Ângela sempre contribuiu para a construção dos nossos sonhos e projetos de vida, da minha vida e da vida de nossas filhas. E assim, cumprindo todos os requisitos para receber a dose da vacina, ela recebeu a dose. Ademais, quem conhece nossa trajetória de vida e idoneidade sabe que não tomaríamos a vacina sem os devidos procedimentos legais, da mesma forma em que a administração da saúde local não teria realizado a aplicação. Por fim, esclareço ainda, que ao contrário do anonimato utilizado para expor fatos maldosos, a aplicação da vacina seguiu as regras impostas pelo órgão de saúde responsável e não fora realizado de forma escondida e anônima, se fosse algo irregular não haveria registro como fora feito.

Em explicação sobre fotografia foi registrada na data de 26 de outubro de 2019, data muito anterior aos fatos narrados, a foto foi extraída do portal do aluno da instituição em que o Senhor Teófilo Divino faz graduação em Farmácia, juntamente com colegas de sua turma e tinha um intuito na época de concluir um trabalho acadêmico, e demonstra cabalmente que a Senhora Ângela Maria atende no comércio nos seus horários vagos e efetivamente atende de forma integral aos sábados para seu esposo se deslocar até a cidade de Colinas do Tocantins para sua graduação.