Operação Caripó da Polícia Civil cumpre mandados judiciais em Taguatinga; grupo é acusado de tráfico

Operação buscou desarticular associação criminosa que atua no Tocantins e Goiás

Da Redação

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 103ª Delegacia de Taguatinga, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 20, a operação “Caripó”, para dar cumprimento a mandados judiciais contra indivíduos suspeitos de integrar uma associação criminosa que, além de Taguatinga, também age nas cidades de Gurupi e Campos Belos – GO.

Coordenada pelo delegado Márcio Duarte Teixeira, a operação teve início logo nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira e foi deflagrada simultaneamente. O resultado foi o cumprimento de cinco mandados de prisão e oito de busca e apreensão nas cidades de Taguatinga, Gurupi e Campos Belos-GO.

A operação contou com o apoio da Divisão de Combate ao Crime Organizado (DEIC), de Gurupi, da 105ª Delegacia de Arraias, da Polícia Penal de Tocantins e da Policia Civil do Estado de Goiás, por intermédio da Delegacia de Campos Belos.

Segundo o delegado Márcio, o objetivo da ação foi desarticular uma célula de facção criminosa que estaria se organizando para intensificar o comércio ilícito de entorpecentes e, até mesmo, planejando ações contra agências bancárias situadas em Taguatinga, na região sudeste do Tocantins. Conforme apurado, o esquema criminoso era comandado a partir do presídio de Cariri, no sul do Estado e também de unidades prisionais localizadas no estado de Goiás.

Conforme o delegado Márcio Duarte, as ordens partiam de indivíduos que se encontram reclusos e também contava com a participação de criminosos de Taguatinga, que revendiam os entorpecentes e, ainda, operacionalizavam outras ações criminosas. O Delegado informa que os indivíduos presos foram recolhidos nas Unidades Prisionais do Tocantins e Goiás e que também foi apreendida uma motocicleta adulterada que estava em posse de um dos alvos.

Ainda segundo o Delegado, as investigações continuam para se aferir a real participação dos indivíduos presos, bem como para a identificação de outras lideranças da facção.(Assessoria de imprensa)