Pesquisa divulgada pelo Instituto Skala e proibida pela Justiça

O descumprimento da decisão implicará em pena de multa de R$5.000,00 por cada ato de divulgação realizado após

Da Redação

Por determinação da Justiça, a pesquisa eleitoral realizada pelo Instituto Skala, em Tocantinópolis, que mostrava o candidato Paulinho com 61,6% em ampla vantagem a frente de Salomão Barros, que contabilizou 19,2% das intenções de votos foi suspensa, neste domingo, 25.

A decisão foi emitida pelo juiz eleitoral Ariostenis Guimarães da 9ª Zona Eleitoral, e determinava a imediata suspensão da pesquisa por não atender as exigências legais. O descumprimento da decisão implicará em pena de multa de R$5.000,00 por cada ato de divulgação realizado após a decisão.  

Na decisão, o juiz eleitoral, afirmou que o instituto de pesquisa deixou de levar em consideração elementos de grande relevância para a aferição do eleitorado que é a pergunta acerca do município de votação do entrevistado e o perfil etário do município da pesquisa registrada no dia 17/10/2020 e divulgada no dia 23/10/2020.

Desta forma, a pesquisa divulgada não tem viabilidade pratica de mensurar as intenções de votos dentro do município de Tocantinópolis, pois descumpre as formalidades exigidas pela Resolução n. 23.600/2019 do TSE, gerando iminente perigo aos princípios de proteção a confiança, a segurança jurídica, equilíbrio do pleito e razoabilidade. (Assessoria de imprensa)

Diário Tocantinense abre espaço para que os envolvidos comentem o assunto.

Confira a decisão na íntegra: