Polícia Penal do TO realiza operação ‘Presença’ e apreende objetos ilícitos em unidades prisionais

Nesses procedimentos foram encontrados 155 facas artesanais/chunchos, 31 pedaços de barras de ferro e 17 celulares

Da Redação

Governo promoveu operação que teve como objetivo manter a ordem e segurança nas unidades penais do Estado do Tocantins durante as festas de final de ano aconteceu no período de 3 de dezembro a 3 de janeiro, resultando na realização de revistas, apreensão de armas artesanais e de objetos ilícitos. A Operação foi planejada e executada pela Superintendência de Administração dos Sistemas Penitenciário e Prisional da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju).

 “A Operação Presença teve a finalidade de proporcionar segurança para pessoas privadas de liberdade que estão no regime fechado, ou seja, que estão sob a custódia do Estado em unidades penais, para assim permanecermos ofertando condições para a harmônica integração social dos custodiados no ambiente carcerário, como também para continuar promovendo assistência, conforme a Lei de Execução Penal, com o intuito de prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade”, explicou o superintendente de Administração dos Sistemas Penitenciário e Prisional.

Segundo a pasta durante os 30 dias da Operação foram realizadas 64 revistas gerais e 124 revistas inopinadas (inesperadas), durante esses procedimentos foram encontrados 155 facas artesanais/chunchos, 31 pedaços de barras de ferro e 17 aparelhos de celulares. Foi realizada a contagem nominal das pessoas privadas de liberdade custodiadas e foram feitas rondas na área perimetral das unidades penais.

“Também foram encontrados um túnel e dois buracos iniciados na estrutura da cela, diante disso foi instaurado Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para averiguar quem são as pessoas privadas de liberdade envolvidas nas ações. Destaco que operações como a Presença, com vistas na promoção da segurança, manutenção da ordem e com a finalidade da execução de políticas públicas para o adequado cumprimento de pena da pessoa custodiada, são feitas frequentemente nas unidades penais do Estado por equipe de Policiais Penais capacitados para tais atividades, ”, finalizou o superintendente.