Prefeita de Palmas teve o voto mais caro do País e prefeito de Colinas do Tocantins, o mais barato do Estado

A análise é feita através das despesas contratadas, pelo número de votos de cada prefeito eleito em primeiro turno

Da Redação

Um levantamento feito com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), revela que o gasto por voto, nas eleições 2020, no país, foi da candidata de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), que foi reeleita. Já o menor custo foi de Rafael Greca (DEM), reeleito em Curitiba.

A análise é feita através das despesas contratadas, pelo número de votos de cada prefeito eleito em primeiro turno. Este cálculo apresenta o “custo do voto” entre R$ 4,24 e R$ 65,10.

O "custo" de cada voto, da prefeita de Palmas é cerca de 15 vezes maior do que o do voto dado ao candidato reeleito em Curitiba. Sendo que, cada um dos prefeitos eleitos tinha um valor diferente para gastar na campanha, de acordo com o número de eleitores na cidade.

Confira o custo do voto de Palmas e Curitiba
 
Cinthia Ribeiro (PSDB), teve 46. 243 mil votos, sendo que o gasto com despesas contratadas foi de R$ 3.010.249,20 milhões. O custo por voto ficou de R$ 65, 10.

Rafael Greca (DEM) de Curitiba, teve 499.821 mil votos, sendo que o gasto com despesas foi de R$ 2.121.055,13. O custo por voto, foi de R$ 4,24.

Gastos com votos no Tocantins

Enquanto o maior gasto por voto, tanto no país, como no Tocantins, é de Cinthia Ribeiro (PSDB), o menor custo foi o do Dr. Kasarin (PSL), eleito em Colinas do Tocantins.

Kasarin que foi eleito prefeito pela primeira vez na cidade com 6.202 votos, teve um gasto de apenas R$ 11.990,00, ou seja, cada voto saiu por apenas R$ 1,90.