Vereadores de Palmeirante não votam projeto de crédito suplementar e prefeitura suspende serviços públicos por falta de orçamento

O motivo seria o impasse entre a Câmara Municipal de Palmeirante e a prefeitura por não aprovação de crédito suplementar.

Ricardo Almeida

Serviços de saúde, educação, limpeza e obras e até de emergência estão paralisados desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira (29). Com a suspensão das aulas nas escolas municipais, da limpeza na cidade e a paralisação de todo o serviço de urgência e emergência os moradores passaram a ser prejudicados. O motivo seria o impasse entre a Câmara Municipal de Palmeirante e a prefeitura por não aprovação de crédito suplementar.

Conforme nota divulgada, o paço municipal condenou a atitude do presidente da CCJ, Raimundo Alves Queiroz e o membro da comissão, Raimundo Brandão por ser o pivô da situação. A prefeitura teria solicitado que a Câmara aprovasse a abertura de crédito adicional para dar continuidade as suas atividades de politicas publicas.

“Os vereadores estão usando de pretextos para não colocar o projeto de lei em votação e diante dos fatos ficou claro que a postura dos parlamentares seria apenas políticos”, discorreu a nota.

Para a prefeitura a manutenção dos órgãos municipais depende da aprovação do crédito suplementar.

Procurado o vereador, Raimundo Brandão dos Santos, afirmou que o pedido de suplementação não tem nada haver com despesas da folha de pagamento, “No inicio do ano foi pedido uma suplementação que foi aprovada com 45% e em setembro o executivo enviou outro pedido”, alfinetou.

O membro da CCJ, Raimundo Bento, destacou que o gestor estaria mentindo ao afirmar que a Câmara bloqueou o recurso.