Volta as aulas: preço do material escolar sobe e a variação chega 341,80% entre lojas em Palmas

O levantamento apontou que a maior variação de preço encontrada foi no item do giz de cera

Da Redação

As despesas financeiras de janeiro pesam no bolso dos palmenses e exigem planejamento. Entre as contas que mais preocupam os pais, está a lista de material escolar. A variação de um produto entre um estabelecimento e outro, leva muitas vezes o consumidor a fazer uma minuciosa pesquisa de preço e comparar onde está mais em conta.  

A fim de instigar o hábito da pesquisa ao consumidor, entre os dias 10 e 11 deste mês, o Procon Tocantins realizou um levantamento de preços dos materiais escolares, em Palmas, capital do Estado do Tocantins. De acordo com o levantamento, cerca de 86 produtos escolares em diferentes estabelecimentos apontaram uma variação de 341,80% nos valores cobrados.

Além de os preços oscilarem de uma loja para outra, o peso dos tributos embutidos no total dos produtos é alto. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), este ano de 2022 já se nota um aumento de 15% para 30% no valor dos materiais escolares. Aumento justificável devido à variação do dólar no país, e a elevação dos preços de fretes das matérias primas como papelão, lápis, papel, embalagens e produtos importados. 

O levantamento previsto para todo o Brasil já reflete na capital e para amenizar essa situação, especialistas e donos dos estabelecimentos acreditam que a prática da pesquisa de preço pode gerar uma economia de até metade do preço.

“O nosso objetivo é fornecer ao consumidor uma amostra das diferenças de preços que ele pode encontrar no mercado de material escolar, além de auxiliá-lo para que, quando for sair de casa, já saiba onde estão os melhores valores e economizem tempo. É sempre bom frisar que o consumidor precisa adquirir o hábito de pesquisar antes da compra de qualquer produto”, explica Walter Viana, superintendente do Procon Tocantins

Pesquisa de preço

Dos produtos listados de acordo com o levantamento no estado do Tocantins, estão: canetas hidrográficas, apontadores, borrachas, cadernos, colas em bastão e líquida, giz de cera, lápis preto, lapiseiras, marca texto, massas de modelar, réguas, tesouras, corretivos, papel, pincel e tinta.

O levantamento apontou que a maior variação de preço encontrada foi no item do giz de cera – estojo com 06 cores da marca Acrilex, chegando a 341,80%, comparado a outros estabelecimentos, o item é vendido entre  R$ 1,89 e R$ 8,35.

Em segundo lugar, o lápis preto plástico nº 02 da marca BRW, com variação de 300,00%, comercializado entre R$ 0,25 e R$ 1,00. Já em terceiro lugar, o marca texto frixon apagável da marca Pilot, com variação de 152,73%, comercializada entre R$ 5,50 e R$ 13,90.

“Tenho um filho no ensino primário, mas dois sobrinhos também. Eu eu e minha irmã corremos para fazer a pesquisa de preço e muitas vezes nos surpreendemos com as diferenças de um lugar para o outro. Ainda mais para os nossos filhos que tem a lista de material escolar bem grande, é essencial a gente fazer essa corrida contra o preço alto todo início de ano”, explica a palmense Mariana Alves.