Outro indivíduo, funcionário público de Santa Terezinha, J.B.D., de 63 anos, levou pregos e placas de energia solar

Da Redação

Na última quinta-feira, 26 de outubro, o Delegado Carlos Eduardo Estrela da 18ª Delegacia de Polícia de Ananás entregou ao Ministério Público o resultado de um inquérito que teve início no ano passado. Este inquérito identificou 13 moradores do Bico do Papagaio, região do Tocantins, como responsáveis pelo saque de um caminhão baú que tombou na TO-134, no trecho entre Angico e Darcinópolis, no dia 22 de junho do ano passado.

As 13 pessoas em questão estão sendo autuados por furto em acidente de trânsito sem vítimas, após saquearem 20,2 toneladas de carga, composta por 1.441 produtos eletrônicos, ferramentas e utensílios. O valor exato da nota fiscal da transportadora goiana, a Atual Cargas, chega a R$ 830.887,70. Essa carga estava a caminho de Marabá, no estado do Pará.

O acidente ocorreu por volta das 12h40, quando a rodovia estava obstruída por uma árvore que bloqueava a pista e dois veículos parados. O motorista do caminhão, Nilson Cortes, de 44 anos, não conseguiu evitar o acidente e colidiu com um dos veículos.

Durante a tarde e parte da noite, enquanto a polícia estava no local, a carga permaneceu intacta, mas durante a noite, ocorreu o saque, com cerca de 150 pessoas acompanhando o trabalho policial.

No dia seguinte, Nilson Cortes e o gerente administrativo José Bento Ribiero, de 54 anos, solicitaram uma investigação sobre o saque que aconteceu na noite anterior. Essa ação culminou em uma investigação policial que conseguiu identificar parte dos saqueadores.

Nilson Cortes anotou as placas dos carros que transportavam os produtos, o que contribuiu para o trabalho policial. O gerente entregou aos policiais o manifesto, também conhecido como DAMDFE (Documento Auxiliar de Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais), que continha a descrição dos produtos e seus destinatários.

Um dos suspeitos, o pedreiro D. D. L. G., de 35 anos, devolveu os produtos ao Delegado Carlos Eduardo Estrela Fernandes, alegando que sua esposa soube do acidente e foi até o local, de onde lhe telefonou para levar uma carretinha e transportar os produtos. Entre os itens saqueados estavam materiais de construção.

Uma mulher moradora de Angico, M.D.A.P.D.S, de 37 anos, confirmou a presença de cerca de dez pessoas no local do acidente, todas da cidade de Darcinópolis e conhecidas dela. Ela afirmou que todos participaram da retirada da carga acreditando que estivesse liberada.

Outro indivíduo, funcionário público de Santa Terezinha, J.B.D., de 63 anos, levou pregos e placas de energia solar. Após depor, devolveu os produtos.

Um agricultor de Santa Terezinha, A.H.M.D.S., de 42 anos, carregou um armário de cozinha, mesa, pregos e doces. Ele confessou estar arrependido e que nunca havia saqueado qualquer carga anteriormente.

Um morador do assentado Amigos da Terra, o agricultor G.D.S.S., de 36 anos, relatou que um grupo de WhatsApp chamado "Sete caminhão tombado" anunciou que a carga do caminhão baú estava "liberada". Ele admitiu ter levado um freezer e rodas de veículos e, como os demais, devolveu os produtos, afirmando que acreditou que a carga estava disponível.

Serralheiro em Angico, F.G. D.M., de 40 anos, disse ter levado portas de carro e barras de ferro.
Segundo ele, policiais foram até a casa dele e pegaram os objetos de volta.

Também de Angico, o produtor rural L. P.D.S, de 54 anos, assumiu ter retirado do baú rolo de zinco, placas de energia solar e peças metálicas.Ele levou o material para a delegacia ao ser intimado.

Outro agricultor de Angico, L.P.D.S., de 55 anos, levou pacotes de inseticida e de toucas cirúrgicas e os devolveu ao ser visitado por policiais civis. Um fazendeiro de Angico, J.D.C.S, de 66 anos, assumiu ter apanhado seis pacotes de pregos, um pacote de grampos, 3 pacotes de toucas, filtros automotivos e utensílios domésticos.

O caso está sob responsabilidade do Ministério Público.