A operação desta quinta-feira é baseada na delação premiada do ex-ajudante de ordens Mauro Cid.

Da Redação

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão impediu que o ex-presidente Jair Bolsonaro saia do país e tenha contato com investigados em inquérito que apura o suposto golpe de estado.

O ex-presidente é um dos alvos da operação deflagrada nesta quinta-feira (08), pela Polícia Federal. Ela investiga uma organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito.

De acordo com o ministro, Moraes deu um prazo de 24h para que Bolsonaro entregue seu passaporte para as autoridades policiais. A defesa do ex-presidente informou que cumprirá as determinações judiciais.

A operação desta quinta-feira é baseada na delação premiada do ex-ajudante de ordens Mauro Cid. Ela apura a discussão da chamada “minuta do golpe”, encontrada na residência do ex-ministro da Justiça Anderson Torres.

Operação da PF

Estão sendo cumpridos 33 mandados de busca e apreensão, quatro mandados de prisão preventiva e 48 medidas cautelares diversas da prisão, expedidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), nos estados do Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Distrito Federal.

Nesta fase da Operação Tempus Veritatis, as apurações apontam que o grupo investigado se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas eleições presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital.