Investigações apontam que o suspeito tinha o hábito de levar crianças para sua casa

Rogério de Oliveira/Governo do Tocantins

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 2ª Delegacia de Atendimento a Vulneráveis (DAV - Araguaína), concluiu nesta segunda-feira, 22, o inquérito que apurava a prática de um crime de estupro de vulnéravel e indiciou um idoso de 74 anos, apontado como o principal suspeito de abusar sexualmente de um menino, de apenas cinco anos, fato ocorrido na última quarta-feira, 17, naquela cidade. 

O delegado Charles Arruda, titular da unidade especializada e responsável pelo caso, no dia dos fatos, o suspeito, que é vizinho da vítima, se aproveitou do fato de que o garoto estava brincando próximo a sua residência e o atraiu para dentro de sua casa a pretexto de oferecer alguns doces. 

“Ocorre que uma vez dentro do imóvel, o idoso levou a criança para o quarto a despiu e praticou os abusos sexuais, os quais foram confirmados por meio de exames periciais que constataram as violência sexual", disse o delegado. 

Logo após o crime, o menino foi para casa e contou o fato para um irmão mais velho, que então contou os fatos para a mãe, que por sua vez acionou a Polícia. O idoso foi preso e conduzido até 5ª Central de Atendimento da Polícia Civil, em Araguaína, onde foi autuado em flagrante pelo crime de estupro de vulnerável. 

Com o aprofundamento das investigações pela equipe da 2ª DAV,  restou comprovado que, de fato, o idoso teria estuprado a criança. 

Diante da gravidade dos fatos, foi representado, junto ao Poder Judiciário, pela conversão da prisão em flagrante, em prisão preventiva, pleito que foi deferido pelo Juízo da Comarca e o homem permanece recolhido na Unidade Penal Regional de Araguaína à disposição da Justiça. 

O delegado Charles Arruda explica que o inquérito já está concluído e será remetido ao Poder Judiciário e ao Ministério Público, ainda nesta segunda-feira, para que sejam tomadas as providências legais cabíveis. 

Para o delegado Charles, trata-se de um crime gravíssimo que foi praticado por alguém acima de qualquer suspeita, pois o idoso era conhecido por todos, passava uma  boa impressão. “Trata-se de um caso emblemático, que envolveu uma vítima do sexo masculino, vez que a maior incidência desse tipo de crime ocorre envolvendo meninas. Porém, a Polícia Civil agiu de maneira rápida e célere, representando pela prisão preventiva do idoso para que ele permaneça preso e possa ser responsabilizado por seus atos”, destacou. 

A autoridade policial também faz um alerta a pais, mães e responsáveis por crianças e adolescentes para que fiquem sempre atentos e vigilantes a esse tipo de perigo. “É de extrema importância que os pais e responsáveis sempre tenham total atenção e monitorem onde os filhos estejam e o que estão fazendo, uma vez que os potenciais abusadores, podem estar muito próximos ou até mesmo dentro do seio familiar”, disse.