Estado

MP investiga autorizações de desmatamento emitidas pelo Naturatins

Foram mais de 500 autorizações emitidas em um só dia. Elas foram publicadas poucas horas depois de Carlesse assinar compromisso por preservação.

Foto: Divulgação
  • Da Redação
  • 05 de agosto de 2019 (Atualizada em 05/08/2019 15:58:39)

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) investiga a concessão de licenças para desmatamento emitidas pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins).  O procedimento investigativo, instaurado nessa segunda-feira (5), objetiva verificar se as autorizações foram precedidas da análise de regularidade ambiental das respectivas propriedades rurais.

A iniciativa do Ministério Público ocorre a impressa noticias a publicação de 557 autorizações para exploração florestal em uma única edição do Diário Oficial do Estado, no último dia 2. O fato chamou atenção por acontecer horas depois que o governador Mauro Carlesse (DEM) assinar “Carta Palmas” – um compromisso pela preservação ambiental – durante Fórum dos Governadores da Amazônia Legal realizado em Palmas.

Conforme o MPTO,  portaria de instauração do procedimento investigativo relaciona a quantidade elevada de licenças para desmatamento ao fato de que o Naturatins tem reconhecido sua própria omissão em analisar as informações sobre as áreas ambientalmente protegidas localizadas nas propriedades rurais do estado.

“Em procedimentos instaurados e ações judiciais propostas pelo Ministério Público, o Naturatins tem apresentado a justificativa de que não dispõe de condições de pessoal e administrativa para a análise desses dados ambientais”, informou o órgão.

O Ministério Público informou ainda que as informações sobre as áreas protegidas dos imóveis rurais do Estado encontram-se nos Cadastros Ambientais Rurais (CARs). Aproximadamente 70 mil CARs foram lançados via sistema informatizado nos últimos anos, sendo que nem 10% desse total chegou a ser analisado pelo órgão estadual de defesa do meio ambiente. Nessa análise, segundo o órgão, podem ser verificados os possíveis desmatamentos ilícitos.

O Ministério Público também considera que existem indícios de que inúmeras licenças e autorizações para atividades agroindustriais, principalmente desmatamentos e captações de água, foram emitidas anteriormente pelo Naturatins sem a análise do Cadastro Ambiental Rural.

O procedimento de investigação foi instaurado pelo promotor de Justiça Francisco Brandes Júnior, titular da Promotoria de Justiça Regional Ambiental da Bacia do Alto e Médio Araguaia.

 

LINK CURTO: https://diariotocantinense.com.br/r/Ln

Deixe seu comentário: