Onze partidos defendem a não ‘recondução’ de Maia e Alcolumbre em carta aberta ao povo Brasileiro

As 11 direções partidárias assinaram manifesto contra a recondução de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre nos cargos

Da Redação

Os partidos chamados ‘Centrão’ e os da oposição se manifestaram nesta terça-feira, 1, contra a reeleição dos atuais presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Em uma carta direcionada à nação brasileira e ao Supremo Tribunal Federal, as direções nacionais das siglas pressionam para que os atuais presidentes não possam concorrer à reeleição em fevereiro de 2021.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), vão analisar nos próximos dias a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.524, pela qual o Partido Trabalhista Brasileiro contestou a possibilidade de recondução dos presidentes. A ação será julgada em plenário virtual, entre os dias 4 a 11 de dezembro, sob relatoria do ministro Gilmar Mendes.

Assinam a carta as seguintes siglas: PP, PL, PSD, Avante, Patriota, Solidariedade, PSC, PSB, Rede e Cidadania. Apesar de o Psol constar como signatário, a assessoria do partido informou que houve um equívoco e que nem a bancada, nem a sigla assinaram o documento. Ainda assim, a bancada do partido na Câmara se diz contra a reeleição.

Segundo o site Congresso em Foco o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia tenta emplacar um aliado como seu sucessor e tenta, inclusive, arregimentar o apoio da esquerda, que deve ser o fiel da balança na disputa. Os principais cotados são os deputados Baleia Rossi (MDB-SP), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Marcos Pereira (Republicanos-SP) e Luciano Bivar (PSL-PE). O Centrão, por outro lado, tem candidato próprio, o atual líder do blocão, Arthur Lira (PP-AL), próximo de Jair Messias Bolsonaro.

Já Davi coloca seu nome à disposição e não nega a intenção de concorrer a um segundo mandato de presidente. Além do DEM, ele deve contar com o apoio do Republicanos, PP, PL e PDT. Com uma bancada de seis senadores, o PT avalia apoiar o presidente para mais um mandato de dois anos. Em 2019, o partido esteve com o ex-presidente Renan Calheiros (MDB-AL).