Os abusos teriam ocorrido por cinco vezes no ano de 2023

Rogério de Oliveira/Governo do Tocantins

Na manhã desta quarta-feira, 10, a Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por intermédio da 5ª Delegacia de Atendimento a Mulher e Vulneráveis (DEAMV - Guaraí), cumpriu mandado de prisão preventiva em desfavor de um homem de 33 anos de idade, pela prática do crime de estupro de vulnerável praticado em desfavor da enteada de nove anos de idade.

Comandada pelo delegado Andreson Alves, a ação foi deflagrada após investigações da unidade policial especializada apontarem o homem como sendo o autor dos crimes. As investigações da Polícia Civil foram iniciadas depois que a mãe da vítima procurou a delegacia para relatar que a filha havia sido vítima de abusos. Ao ser ouvida, a mulher relatou que em certa ocasião, ao retornar do trabalho notou que a filha estava no banheiro e apresentava um sangramento intenso na parte íntima, sendo que ao indagar a filha, ela disse que teria sido um homem desconhecido que passava pela rua o autor do crime sexual. 

Tentativa de encobrir os fatos

No decorrer do trabalho investigativo, a equipe da 5ª DEAMV concluiu que, na verdade, não havia um terceiro indivíduo que teria praticado os crimes, mas  que a criança havia sido orientada pelo suspeito a contar essa versão caso fosse questionada.  

As Investigações da Polícia Civil também demonstraram que a vítima teria sido abusada sexualmente por pelo menos cinco vezes, sendo que os crimes teriam sido praticados no ano de 2023 e ocorriam quando a mãe da criança saía para trabalhar e deixava a filha em casa com o padastro.  "Assim que descobrimos os fatos, a criança foi afastada da convivência do autor",  disse a autoridade policial.  

Após exames periciais e escuta especializada da vítima, concluiu-se que o abusador foi o próprio padrasto da criança, razão pela qual foi representado pela prisão preventiva e dado cumprimento nesta quarta-feira, ao mandado de prisão.

Ao ser capturado, o homem foi conduzido até a 7ª Central de Atendimento da Polícia Civil, em Guaraí e, após a realização das providências legais cabíveis, foi recolhido à Unidade Penal Regional local, onde aguardará manifestação da Justiça.

Para o delegado Andreson, trata-se de uma prisão muito importante, uma vez que a criança estava sendo abusada reiteradamente, o que inclusive além do sofrimento físico e emocional, também trazia risco a própria integridade física da vítima. "Tão logo fomos informados sobre este caso, mobilizamos toda a equipe de policiais civis da 5ª DEAMV em um esforço conjunto, a fim de esclarecer todas as circunstância desse crime hediondo que estava sendo praticado contra uma criança de apenas nove anos. Assim, com a prisão do suspeito, apesar de todo o dano físico e psicológico causado à vítima, interrompe-se um ciclo de violência o qual a mesma estava sendo submetida dentro de sua própria residência", frisou o delegado.