Plantão Policial

Polícia Civil elucida crime de furto e recaptura foragido da Justiça em Paraíso do Tocantins

Dagmar estava foragido, desde 19 de setembro de 2018, quando rompeu a tornozeleira eletrônica que utilizava.

Foto: Reprodução/SSP-TO
  • Da Redação
  • 08 de março de 2019

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC), Núcleo de Paraíso do Tocantins, efetuou, na manhã desta quinta-feira (7), naquele município, a prisão de Dagmar Xavier Farias, de 43 anos.

Dagmar estava foragido, desde 19 de setembro de 2018, quando rompeu a tornozeleira eletrônica que utilizava para cumprimento da pena, em regime domiciliar, pela prática do crime de estelionato.

Conforme o delegado Eduardo de Meneses, titular da DEIC - Paraíso, policiais civis daquela delegacia especializada realizavam investigações de rotina, nas proximidades do setor Vila Regina, quando se depararam com o acusado em posse de uma carretinha que havia sido furtada, em Paraíso do Tocantins, nessa terça-feira, 5.

De imediato, os investigadores abordaram o indivíduo e o conduziram até a delegacia, onde uma equipe de policiais civis da 3ª DPC o identificou como sendo um dos homens que haviam furtado o bem. Desse modo, a autoridade policial ouviu Dagmar, bem como outro comparsa, que, em tese, seria o co-autor do crime.

Ambos confessaram o ilícito e serão indiciados por furto, sendo que o veículo que utilizaram para praticar o crime também fora apreendido. A carretinha foi periciada e restituída ao seu legítimo proprietário.

Em meios aos procedimentos legais, os policiais civis efetuaram levantamento sobre a vida pregressa de Dagmar e constataram que havia um mandado de recaptura em seu nome, proveniente da Comarca de Gurupi, pela prática do crime de estelionato e também pelo fato de Dagmar ter rompido o equipamento eletrônico que usava.

Dessa maneira, a ordem judicial foi cumprida e o indivíduo foi recolhido à carceragem da Casa de Prisão Provisória de Paraíso do Tocantins, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Ainda segundo o delegado Eduardo de Meneses, Dagmar Xavier é um criminoso contumaz e é investigado em pelo menos 15 inquéritos policiais que tramitam em várias delegacias de Paraíso. “Dagmar já possui condenações penais e é acusado de envolvimento em uma série de outros crimes patrimoniais, tais como roubo, furto e estelionato, em Paraíso e em outros municípios do estado e sua prisão traz um pouco mais de paz e tranquilidade à população da cidade”, ressaltou. (Com informações da SSP/TO)

LINK CURTO: https://diariotocantinense.com.br/r/Cc

Deixe seu comentário: