Setor Avícola no Tocantins teve aumento na produção de 43%: As maiores granjas são na Região Centro- Norte e Palmeirante conta com frigorifico

Tocantins possui 113 granjas registradas no órgão, e um frigorífico, um em Palmeirante e produção de ovos em Fátima

Da Redação

Um dos setores que teve aumento significativo em vendas, no Estado foi o avícola. Um balanço da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), aponta que teve um aumento significativo de 43% na produção de aves comerciais em 2020, em relação ao ano anterior, saltando de 24,4 milhões de aves para 34,9 milhões.

O presidente da Adapec, Paulo Lima, disse que sempre acompanham e prestam assistência aos produtores.  “O governo do Tocantins, por meio da Agência realiza um trabalho sério de sanidade avícola, permitindo aos produtores o aumento da produção, novos investimentos, bem como a geração de emprego e renda”. 

Os produtores precisam manter o cadastro e certificação de estabelecimentos avícolas, que são fiscalizados em toda a cadeia produtiva. 

Além de vendas no Brasil o Tocantins exporta para os países: Haiti, Hong Kong, Camboja e Suriname. A produção é do frigorífico registrado no Serviço de Inspeção Federal (SIF), no município de Aguiarnópolis.

Granjas e frigoríficos 

Com dados da Adapec, o Tocantins possui atualmente 113 granjas registradas no órgão, sendo que 108 são de frango de corte, três de postura, duas de reprodução. Atualmente, a região centro-norte concentra a maior parte da produção.

No Estado também existe um frigorífico de abate de aves caipiras melhorada registrado no Serviço de Inspeção Estadual (SIE), localizado no município Palmeirante. Ele foi inaugurado em 2020 e abateu 15.172 aves, numa produção de 18.595 quilos de carne de frango. Além disso, uma granja de ovos registrada no SIE, no município de Fátima, que produziu 22,7 milhões no ano passado.

Ainda de acordo com a Adapec, as granjas avícolas do Tocantins possuem uma capacidade máxima por ciclo de produção de 10,6 milhões de cabeças de aves (os ciclos variam de 45 a 60 dias), obedecendo um período de vazio sanitário de 10 a 15 dias entre os ciclos.