Suspeitos de matar adolescente e balear repórter são presos em Araguaína

As prisões foram feitas nesse mês. Foram detidas quatro pessoas, entre elas um taxista suspeito de participação no crime.

Foto: Divulgação
Redação

A Polícia Civil prendeu quatro pessoas suspeitas de envolvimento na morte do adolescente Hernandes Júnior em Araguaína. O crime aconteceu no dia 1º de abril. Na ocasião, o repórter de televisão Daniel Evangelista acabou sendo atingido com um tiro no ombro após a vítima tentar se refugiar em sua residência.

Um dos suspeitos, conhecido como Dublê, foi detido nesta segunda-feira (15). Ele é suspeito de fornecer munições para que o crime fosse praticado. Outros três homens foram presos no início desse mês. Um deles é taxista e suspeito de ajudar os criminosos a fugirem após o crime. Os outros dois suspeitos teriam colaborado com dinheiro para pagar o motorista de táxi.

De acordo com a polícia, 11 pessoas são suspeitas de envolvimento no assassinato do adolescente, das quais 10 já foram indiciadas. O delegado Guilherme Coutinho Torres informou que desse total, seis já estavam presas por outros crimes. "Desde o início de julho, estamos efetuando as prisões dos envolvidos, chegando na décima pessoa presa nesta segunda-feira”, pontuou.

Entenda

A polícia acredita que o assassinato do menor foi motivado por uma briga entre organizações criminosas em Araguaína. Segundo o delegado Guilherme, uma das pessoas presas ligou para o adolescente e marcou um encontro na rua rodoviária, no dia do crime.

"Três homens foram ao local para executar o crime. Eles contrataram um taxista para levá-los à rua onde tinha sido marcado o encontro”, explicou o delegado. Segundo ele, o taxista estava ciente de que os criminosos iriam cometer o homicídio. “Lá mesmo, eles deram o primeiro tiro. O adolescente conseguiu fugir e entrou numa casa. Ele foi executado no quintal da residência", afirmou.

O repórter da TV Jovem Araguaína, afiliada da Record no Tocantins, Daniel Evangelista, estava dentro da casa e foi baleado no momento em que os criminosos entraram no local atrás do adolescente. O profissional foi levado para o Hospital Regional de Araguaína.

Ainda segundo o delegado, os outros presos colaboraram com dinheiro para pagar o taxista, que levou os criminosos e os ajudou a fugir. O valor foi R$ 300. Um homem que teria ajudado com o dinheiro ainda está sendo procurado.

Os presos foram; o taxista, que levou os executores do homicídio e os ajudou a fugir; um homem que forneceu as munições; três executores do crime; uma pessoa que marcou o encontro com o menor e mais quatro pessoas que colaboraram com dinheiro para pagar o taxista.