Os grupos que se apresentam recebem cachês, tem oportunidade de mostrar seu trabalho em outro estado

Da redação

A Secretaria da Cultura e Turismo definiu, na última quarta-feira, 20, os representantes do Tocantins que irão expor no 15º Salão do Artesanato de Brasília - Raízes Brasileiras. O evento ocorrerá no período de 4 a 8 de maio, em Brasília, e contará com representantes de 11 municípios.

Na feira, o estande do Tocantins irá reunir arte indígena, capim dourado, biojoias, madeira e outras matérias-primas.

O evento traz diversas apresentações culturais regionais, de grupos que geralmente utilizam peças artesanais em sua indumentária e instrumentos. Os grupos que se apresentam recebem cachês, tem oportunidade de mostrar seu trabalho em outro estado e de divulgar sua cultura.

O Edital Nº 07/2022/GABSEC/SECTUR traz o resultado definitivo da avaliação dos inscritos no Chamamento Público nº 02/2022. 

Na categoria Artesão Individual foram selecionados: Vanessa Tkidi Calixto Xerente (Tocantínia), com peças em capim dourado e seda de buriti; Marcio Belo dos Santos (Porto Nacional), com instrumentos musicais e miniaturas em madeira, pele de animal, casca de árvore e cerâmica; Elisângela Ribeiro Amâncio (Xambioá), com biojoias em madeira, semente e fibra; Adelsimon Paz de Oliveira (Babaçulândia), com produtos a partir do coco babaçu, e Josias de Souza Menezes (Gurupi), com sua arte em madeira. Adriele da Silva Pinto (Palmas) ficou na suplência.

Na categoria  entidade representativa, que inclui associações e cooperativas, entre outros, estarão em Brasília: Centro Cultural Kájre (Goiatins), com arte indígena em semente, fibra, cabaça, casca vegetal, fruto e madeira; Associação Dourada (Novo Jardim), com artesanato em capim dourado; Associação Dianopolina de Artesãos (Dianópolis), com peças usando semente, capim dourado e fibra; Associação Comunitária dos Artesãos e Pequenos Produtores de Mateiros (Mateiros), com capim dourado; Associação Arte no Fruto (Ananás), que trabalha com semente e fibra, e a Casa de Cultura Karajá (Formoso do Araguaia/Ilha do Bananal), com arte indígena em cerâmica e palha de buriti.

Os selecionados e seus produtos ocuparão espaço coletivo de 50m² para a divulgação e comercialização dos produtos. O Governo do Estado custeará as despesas com transporte rodoviário das mercadorias e dos artesãos. O grupo será acompanhado por uma técnica da Pasta e pelo coordenador estadual do PAB, o superintendente de Cultura Relmivam Milhomem.