O espaço prevê a participação de instituições que favoreçam a formação de pessoas, implantação de laboratórios científicos, de hotéis que fortaleçam o turismo e a conservação ambiental, além do setor imobiliário, reforçando o papel da ciência, tecnologia e inovação como vetores de desenvolvimento para o Estado.

Da Redação/Ascom

Uma equipe do Governo do Tocantins formada pelo presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapt), Márcio Silveira; pelo secretário-chefe da Casa Civil, Deocleciano Gomes Filho e pelo secretário de Estado da Fazenda, Júlio Edstron Secundino, apresentou nessa quarta-feira, 31, à ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, o projeto de implantação do Parque Tecnológico do Tocantins. O encontro ocorreu em Brasília, com a participação do deputado federal Ricardo Ayres, e de membros do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Durante a reunião, o presidente da Fapt, Márcio Silveira, defendeu o projeto como uma ação estratégica de desenvolvimento do Estado que consiste em estimular a cooperação entre empresas privadas e o setor público para fomentar atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação. Na oportunidade, também foram debatidas a implantação de polos de desenvolvimento de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) de norte a sul do Tocantins.

“Eu acredito que o parque tecnológico vai trazer desenvolvimento sustentável para o Tocantins. Sem o conhecimento não conseguimos avançar de maneira qualitativa e dar saltos significativos. Eu tenho certeza que com o Parque Tecnológico em Palmas, um Centro de Inovação em Araguaína, e um Centro Tecnológico em Gurupi, contemplaremos toda a sociedade tocantinense e, por consequência, o desenvolvimento de todo o Estado. O Governador tem o Parque Tecnológico como um projeto estratégico e de grande importância para os tocantinenses”, afirmou Márcio Silveira.

 A ministra Luciana Santos, afirmou que o projeto está entre as prioridades do Ministério. “Essa proposta do Parque Tecnológico está dentro das nossas prioridades, seja pelo enfrentamento à desigualdade regional, ou porque garante ao Estado outro patamar. Insere o Tocantins nas cadeias mais dinâmicas da economia e do setor produtivo e ajuda que a produção do conhecimento se realize em produtos e serviços. Podem contar conosco! A gente vai estar lado a lado escrevendo e desenhando o futuro do Estado”, pontuou a ministra Luciana Santos.

Tratando da importância da aplicação de recursos do governo federal para a implantação do Parque Tecnológico, o deputado federal, Ricardo Ayres, atentou que a CT&I pode agregar valor aos produtos naturais já exportados pelo Tocantins.

“Nós precisamos desenvolver a ciência e tecnologia como forma de dar oportunidade de emprego e renda a nossa gente. Nós não podemos viver apenas da exportação de produtos naturais que não tem o valor agregado e temos no Tocantins toda essa possibilidade que só vai se concretizar com este investimento Federal e com a parceria do governador Wanderlei Barbosa para construirmos um caso de sucesso para o Brasil. Um novo Brasil que está sendo construído a partir da ciência”, afirmou o deputado.

Parque Tecnológico

O Parque Tecnológico trata-se da junção de empresas potenciais em um único espaço físico visando à formação de um centro de produtos e serviços urbanos em diversos segmentos com interesse em soluções inovadoras.

O espaço prevê a participação de instituições que favoreçam a formação de pessoas, implantação de laboratórios científicos, de hotéis que fortaleçam o turismo e a conservação ambiental, além do setor imobiliário, reforçando o papel da ciência, tecnologia e inovação como vetores de desenvolvimento para o Estado.