Luto no judiciário: MP lamenta morte por Covid-19 de promotor Lucídio Bandeira que atuou em Colinas

O Ministério Público, divulgou na manhã desta quarta-feira, 09, nota de pesar lamentando a morte do promotor

Da Redação

O Ministério Público do Tocantins, divulgou na manhã desta quarta-feira, 09, nota de pesar lamentando a morte do promotor de Justiça aposentado Lucídio Bandeira Dourado, em decorrência da nova corona vírus. Ele atuou nas Comarcas de Pedro Afonso, Colinas, Paraíso, Arapoema, Araguacema, Itacajá, Guaraí, Colmeia, Cristalândia e Wanderlândia. Em 2014, foi removido para Capital, onde era titular da 2ª Promotoria de Justiça.

Confira na íntegra a nota de pesar

É com profundo sentimento de pesar que o Ministério Público do Tocantins (MPTO) comunica o falecimento do promotor de Justiça aposentado Lucídio Bandeira Dourado, 60 anos, ocorrido nesta terça-feira, 08, em decorrência da Covid-19.

Lucídio tomou posse como promotor de Justiça no MPTO em 1997. Começou sua carreira na Promotoria de Justiça de Pium. Atuou nas Comarcas de Pedro Afonso, Colinas, Paraíso, Arapoema, Araguacema, Itacajá, Guaraí, Colmeia, Cristalândia e Wanderlândia. Em 2014, foi removido para Capital, onde era titular da 2ª Promotoria de Justiça (Criminal).

No MPTO também atuou como 3º Promotor de Justiça Corregedor (2003). Em 2012, assumiu a suplência da Coordenação do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAPDH). Em 2015, integrou o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Mestre em Direito Processual Penal, sua carreira no Ministério Público tocantinense foi marcada pela atuação na área criminal.

Antes de ingressar no Ministério Público tocantinense, exerceu o cargo de promotor de Justiça em São Francisco de Paula (RS). Também foi juiz de direito no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios.

Natural de Bagé (RS), o promotor de Justiça se aposentou em dezembro de 2019, após 22 anos dedicados à carreira ministerial. Era casado e deixa dois filhos. 

O procurador-geral de Justiça, Luciano Casaroti, decretou luto de três dias e lamentou a perda do colega. “Um promotor aguerrido, dedicado, que contribuiu para o fortalecimento do Ministério Público tocantinense”.

À família, os integrantes do Ministério Público desejam conforto neste momento de dor.